Caos

Luiz Maia

A natureza é perfeita por mais que os homens queiram ignorar este fato. E quando o homem tenta mudar o curso de um rio, por exemplo, o mínimo que pode acontecer é esse rio correr de forma desordenada, causando vários estragos ao meio-ambiente, destruindo tudo que estiver à sua frente. Mas nos parece que a humanidade jamais aprenderá esta lição. À medida em que o homem passa a ser ignorado em suas necessidades básicas, quando o poder público age com indiferença ao clamor da sociedade, esse indivíduo vira bicho e ninguém mais tem o direito de cobrar bom senso diante de possíveis atitudes de desespero por parte de um bando de excluídos. É lamentável chegarmos a esta conclusão.

Não está sendo fácil assistirmos à falência de um sistema que há muito tempo deu sinais de esgotamento. A justa distribuição de renda não existe neste País. Há uma elite que não sabe o que fazer de sua fortuna, do outro lado um contigente de miseráveis que vem aumentando a cada dia. Como se não bastasse, temos visto ao longo do tempo quadrilhas tomando conta do orçamento público. Tudo em nome de uma ética que eles não conhecem. E viva o desmando! O resultado é esse aí: chegamos ao caos.

Ninguém de sã de consciência poder negar que estamos vivendo momentos de pura indignação coletiva, onde o descrédito nos homens e nas instituições assume proporções jamais imaginadas. Diante do caos generalizado, solidarizo-me com as pessoas que estão a passar por momentos desagradáveis em suas vidas. O homem, quando emparedado, faz valer a força bruta ao invés de recorrer ao sadio discernimento. Mas não podemos esquecer de orar ao Pai para que nos proteja e que Ele possa inspirar os homens públicos deste País a agirem com um mínimo de dignidade, fazendo-se respeitar através de atitudes que dignifiquem a espécie humana. São esses os desejos do conjunto da sociedade.

  ooo

Conversa de fim-de-semana Página Principal