Empregada doméstica

Luiz Maia

O emprego doméstico, no Brasil, é uma herança da cultura escravocrata. Talvez seja por isso que não é tratado com a dignidade e o respeito que merece. Sequer é reconhecido como uma profissão de grande responsabilidade e confiança, que exige, a cada dia, maiores qualificações e competências de quem a exerce. A legislação trabalhista, por exemplo, ainda nega a essa categoria profissional alguns direitos como jornada de trabalho e hora-extra; e só recentemente passou a lhe conferir direitos consagrados, como carteira assinada, férias, 13º salário. E ainda assim, muitos empregadores lhes negam esses benefícios trabalhistas. O que seria de nós se não fossem as empregadas domésticas para administrar nossos lares?


Poucos são os que reconhecem a importância que elas têm quando os patrões se ausentam, deixando as casas sob a responsabilidade delas. Principalmente hoje em dia, quando as mulheres passaram a trabalhar fora, ficando as tarefas do lar a cargo dessa laboriosa classe. Todos deveriam ter, por princípio, o reconhecimento pelo trabalho dessas pessoas, que desempenham um papel de suma importância, pois lavam e passam nossas roupas, cuidam das crianças, fazem a comida que comemos e organizam a casa da gente todos os dias. Seria pouco confiar tantas tarefas sem que houvesse respeito e confiança mútuas? Claro que não. Essas pessoas merecem de todos respeito e consideração. Não podemos prescindir do seu nobre trabalho
, nem do seu convívio entre nós.



  ooo

Conversa de fim-de-semana

Página Principal