"Hoje, a busca da felicidade é uma "acne" que nos traumatiza e que estamos tratando com remédios errados.

A felicidade - infeliz tradução humana de plenitude - virou o mais cínico engabelador da História.

Deitamo-nos sonhando com ela e acordamos desejando-a.

A felicidade é arrematada em leilão. Oferecem-na ao vivo ou enlatada. Vende-se a prazo, com juros baixos ou em cômodas prestações.

É recomendada a você por correspondência, em cursos intensivos ou de porta em porta.

É incluída em roteiros de viagens planejadas. Tem sabor de aventura.

Você pode achá-la numa arca da acaju ou com vista para o mar.

Ela se disfarça de político com criança no colo, heroína, salvação eterna e capa de revista.

É cantada em campanhas eleitorais, púlpitos e planos de aposentadoria.

E o ser humano - incauto - entra (entramos) na fila nos guichês da beleza, do dinheiro, do triunfo e do poder.

E quando abre o "pacote", sempre obtido "em troca de", comprova (comprovamos) com desespero que foi logrado. O pacote de suposta felicidade contém apenas uma corrente reluzente e sutil que nos prende e nos obriga a continuar a buscar e consumir. E o marketing esfrega as mãos.

A busca da felicidade tornou-se, em suma, uma calculada e diabólica fossa comum. Uma guerra santa orquestrada, em que ninguém sabe por que luta. Por que, me diga, o que é exatamente a felicidade? Na hora de defini-la, com efeito, não há consenso."

J.J. Benítez, do livro "Mágica Fé"

Ir para página principal Voltar "F" Voltar autor Ir para Autores

 

1