"Dona Paz"

"Dona Paz lhe mostrará como tirar água de seu poço interior.

A maioria de nós se empenha em ser feliz(?), tomando como referência a felicidade (?) dos demais.

Isso é como que tentar respirar com nariz alheio.

E essa paz interior crescerá em você na medida em que, generosamente, permitir que os outros bisbilhotem nela.

Dona Paz tem a rara qualidade de multiplicar-se quanto mais a esbanjamos. É a cesta de pães e peixes do Evangelho.

Dona Paz, se isso ainda for pouco, não paga impostos. Tudo o que você precisa para ficar sócia dela é sacudir o cofrinho da boa vontade e contribuir com algumas moedas para as despesas. Só "trocadinhos".

Entrar com os "trocadinhos" de uma carícia oportuna.

Entrar com os "trocadinhos" do "Não preciso disso".

Entrar com os "trocadinhos" do "Deixe-me ajudar".

Entrar com os "trocadinhos" do "Me conte".

Entrar com os "trocadinhos" do "Sei que você gosta disto".

Entrar com os "trocadinhos" do "Não mexa, eu faço isso".

Entrar com os "trocadinhos" do "Que é isso, faço questão".

Entrar com os "trocadinhos" do "É a minha obrigação".

Entrar com os "trocadinhos" do "Você pode ficar tranqüilo".

Entrar com os "trocadinhos" do "Não tem problema".

Entrar com os "trocadinhos" do "Amanhã vai ser outro dia".

Entrar com os "trocadinhos" do "Posso beijá-lo"?

Dona Paz (interior) não freqüenta o "bingo" da mudança ou a "roleta" da revolução. Falamos é da mesinha de dobrar, do ludo e dos feijões da intimidade.

Dona Paz (interior) raramente come fora de casa. Estamos falando do amor de avental.

Dona Paz (interior) não deseja esteira. Estamos falando de navegar no tanque de lavar da família.

Dona Paz (interior) não é um chalé de luxo. Estamos falando de um apartamento de fundos e das quatro paredes da alma.

Dona Paz (interior) não aparece na televisão. Estamos falando de um Deus "de chinelos".

Dona Paz (interior) não é negra nem branca. Estamos falando "de coração".

Dona Paz (interior) não é área privativa. Estamos falando da imensa maioria.

Dona Paz (interior) não é a oitava maravilha. Estamos falando da lamparina que alumia seus sonhos.

Dona Paz (interior) não é o todo. Estamos falando do imprescindível.

Dona Paz (interior) não é a felicidade. Estamos falando da "sobrinha" desta.

J.J. Benítez, do livro "Mágica Fé"

Ir para página principal Voltar "P" Voltar autor Ir para Autores

1