"É necessária uma força muito grande para perdoar; porém, a única alternativa para o perdão é um ódio ainda maior, que é talvez a mais destrutiva de todas as emoções humanas, pois em sua escuridão não há lugar para a luz da esperança e da compreensão.

O ódio só gera ódio.

É só através do perdão que pode haver esperança de resgate.

Não estou sugerindo que dediquemos anos de nossas vidas tentando descobrir nossas mágoas e aqueles que nos magoaram.

Com freqüência, essa atitude só nos leva a mergulhar na autopiedade e na dor.

O que eu estou sugerindo é que reconheçamos o sofrimento, o consideremos com carinho e aprendamos com ele, libertando-nos de tal sentimento.

Perdoe aos que o fazem sofrer.

Perdoe às pessoas ao seu redor - os pais, que também são simples seres humanos esforçando-se para alcançar a perfeição por sua causa, os irmãos e irmãs que carregam suas próprias mágoas, e as pessoas à sua volta, muitas vezes trancadas em seu próprio ódio, medos e confusão.

Veja-os como são e perdoe-lhes.

Acima de tudo, perdoe a si mesmo por magoar e odiar, por ser menos do que gostaria de ser.

Conscientize-se de que é somente através do processo de perdão e reconciliação com você mesmo e com os outros que se encontrará ao seu alcance a possibilidade de realizar-se e ao seu potencial verdadeiramente."

do livro "Os deficientes e seus pais", de Leo Buscaglia

 

 Ir para página principal Voltar "P" Voltar autor Ir para Autores

1