Amor, raiva e perdão

Luiz Maia

Sem dúvida o amor é o sentimento maior que conhecemos. Gerador de ações que tornam o homem digno, honrado, humano e solidário, tem o poder de transformar pessoas e aplainar estradas por onde caminha a humanidade.

É o amor a raiz de toda felicidade que se pode experimentar. Diferentemente dele, a raiva torna o homem bruto e ensandecido. É filha do ódio, prima da ira e irmã da escuridão que habita no coração de quem a sente. A raiva elimina a reflexão mais profunda sobre as causas que culminaram com uma ação violenta por parte de outrem. Geralmente as pessoas acometidas pela ira transferem suas experiências negativas de vida para a sociedade. Essa, por sua vez, costuma, vez ou outra, responder da mesma forma, fazendo com que nos tornemos todos uns insensatos. Com isso acabamos atribuindo ao outro uma índole diferente da nossa, como se não fossêmos humanos, capazes de errar.

Seria ótimo se não existissem tais sentimentos nocivos, onde prevalecesse apenas o amor. Na impossibilidade, vislumbramos tão somente uma única saída: recorrer ao perdão. O perdão tem o poder libertador, uma vez que é capaz de nos distanciar das emoções mais rudes de quem nos feriu, na sua total incapacidade de raciocinar à luz da consciência.

Portanto, afaste a possibilidade de vir a abraçar esse sentimento menor, que é a raiva. Viva em e com amor todos os dias de sua vida.

  ooo

Reflexões Página Principal